Um passo de distância do cuidado: a derrota da doença cardíaca devido à genética

Vamos ver em mais detalhes como foi descoberto o gene S1P1, o que é e quais os possíveis portas vão se abrir, no futuro, para o contexto clínico, graças a esta descoberta sensacional.
O centro de pesquisa de células-tronco

Durante a pesquisa, os cientistas ficaram surpresos ao descobrir que a camada mais interna do coração é formada a partir da mesma células-tronco, também conhecidas como células progenitoras, que pode crescer e tornar-se sangue. Esta descoberta permitiu compreender que apenas um tipo de célula-tronco pode tornar-se é o sangue de parte do músculo do coração.
Os pesquisadores também determinaram que um determinado gene, chamado S1P1, é vital para a correta formação do coração. Sem ele, o coração de tecidos produzidos a partir de células-tronco desenvolve uma esponjoso natureza, o que prejudica a capacidade do coração de contrato com firmeza e eficiência da bomba.
Nas pessoas, o coração, a condição é conhecida como cardiomiopatia ventricular não-compactado, uma malformação do muito perigoso, que muitas vezes leva à morte prematura.
O pesquisador da UVA, Yan Hu, disse: “Muitos pacientes atrás doenças crônicas, incuráveis doenças, incluindo doenças cardíacas e pedras nos rins, são colocados em lista de espera, limitado ao transplante de órgãos. É por isso que há a necessidade urgente de entender o que acontece às células durante a doença e como ele pode ser reparado. Cada órgão é uma máquina complexa formada por diferentes tipos de células. Saber a origem de cada célula e que os genes que controlam suas funções normais, é essencial para os cientistas para decifrar o processo da doença e, eventualmente, descobrir como unidade de célula para a auto-cura ou até mesmo criar um novo órgão usando a modificação células dos próprios pacientes”.
Gene S1P1, quais são as conseqüências em nosso corpo?
Os pesquisadores, liderados pela dra. Maria Luisa S. Sequeira Lopez, da Criança, Saúde do Centro de Pesquisas de UVAS, e eles foram investigar a formação dos rins, quando perceberam que a eliminação (por exemplo, a falta de uma parte de um gene) do gene S1P1 em ratos teve consequências fatais em todo o corpo.
“Nós estávamos estudando o papel desses genes no desenvolvimento da vasculatura dos rins. O coração é o primeiro órgão que se desenvolve, e, portanto, descobrimos que a eliminação do gene para estas células progenitoras causou anomalias do coração, grave edema, hemorragias, e a frequência cardíaca reduzida”, disse o médico.
Esta descoberta levou a uma cuidadosa análise de coração, e só então, os pesquisadores descobriram que o gene de exclusão causado o desenvolvimento de uma mais fina das paredes do coração e outros problemas em embriões de ratos. Em essência, eles entendem a necessidade de se estudar o coração quando os rins ainda não foram treinados e ir bem além da área de estudo.
Tais descobertas, seria inesperado ensaios, mesmo para os cientistas que se especializam no desenvolvimento de coração. O pesquisador Brian C. Belyea, disse: “Durante muito tempo, os cientistas acreditavam que cada órgão se desenvolver de forma independente em relação a outros órgãos, e que o desenvolvimento do coração dependia de certas células-tronco, enquanto o sangue de células-tronco do sangue. Numerosos estudos realizados neste laboratório, incluindo este trabalho, têm mostrado que as células progenitoras tem muito mais plasticidade. Descobrimos que cardíaca de células-tronco estão presentes em estado embrionário do coração, e também gerar componentes do adulto coração e nas células do sangue”.
Um novo tratamento para a doença de coração
Os investigadores ficaram tão surpreendidos por todos esses surpreendentes resultados que eles tentaram obter os mesmos resultados várias vezes e com diferentes técnicas, para verificar a confiabilidade da descoberta.
Dr. Belyea afirmou que a descoberta da importância do papel do gene S1P1 poderia levar um dia para o desenvolvimento de melhores tratamentos para a doença de coração. “Esperamos que este estudo possa ser um marco para os nossos colegas na clínica”, disse ele.
Como sempre, é necessária mais investigação e vários testes antes de ser capaz de chegar a um tratamento usado em seres humanos, mas a descoberta continua a ser tão importante como é inesperado, especialmente para aqueles que estão indo para estudar os rins, ficam com o “coração na mão”.

Um passo de distância do cuidado: a derrota da doença cardíaca devido à genética