Este quebracabeça magnético pode chegar a ser perigoso para os seus filhos

Uma menina norte-americano de 2 anos engoliu 28 bolas magnéticas, as quais tinham formado um grande círculo magnético em seu estômago

Muito cuidado com o tipo de jogos que compramos para os mais pequenos da casa, por muito de moda que estejam, porque podem ocorrer surpresas, como o que viveu uma família de Colorado, nesta passada semana.
Ao que parece, sua filha de apenas 2 anos de idade, estava brincando com um jogo de bolas magnéticas, chamado comercialmente NeoCube, que permite fazer cubos perfeitos ou outras formas que você possa imaginar ajustando-as de posição. Mas já se sabe que crianças, com tão pouca idade não sabem medir bem os riscos e levam tudo à boca (tem que experimentar tudo) e, como não, acabou tragándose até 28 pequenos ímãs em forma de pequenas bolas, que se alojaram em seu estômago. Por se fosse pouco, dois deles estavam apertando parte de seu intestino e a força das peças estava fazendo um pequeno buraco. Um drama que você pode ver na foto.

A sorte quis que todos os ímãs de se ajuntarem, fazendo um círculo e não se desperdigaran pelo corpo, o que seria difícil a extração. E é que os médicos que atenderam a pequena usaram um tipo especial de endoscopia que implica inserir um tubo longo através da boca da menor até o estômago para poder extrair todos os ímãs. Se não tivesse funcionado ou as bolas se tivessem separado, talvez teriam que ter operado a menina ou até mesmo ter cortado uma parte do intestino se não teriam chegado a tempo.
Por que está à venda um jogo tão perigoso?
Em 2013, a Comissão de Segurança de Produtos ao Consumidor dos EUA retirou este jogo, já que o consideravam perigoso. Estes ímãs se juntam uns aos outros com tal força, que, se ingeridos, podem ser coladas contra as paredes do estômago, provocando graves lesões, como furos, bloqueios intestinais, envenenamento do sangue e até a morte. Mas em 2016, a empresa que os comercializa ganhou uma ação judicial para poder voltarem a vender, daí que não seja ilegal oferecê-las ao público. Já depende dos pais que comprem, saber até que ponto os seus filhos têm capacidade para usá-los.
No caso que temos tratado foi a pequena, que se interessou pelo quebra-cabeça, que estava na mesa de trabalho de seu pai. Portanto, não era um brinquedo que lhe tivessem comprado especificamente para ela, mas em um descuido, a menina levou-o à boca e tiveram que ir para o hospital.
Fonte: LiveScience